De volta às intuições

Com a calma de quem nada quer fazer brotar, a partir de agosto começaremos a nos reunir uma vez por semana para alimentar a criação dessa nova criação do Teatro Inominável. Até o presente momento, já foram vários encontros, mas tudo sem eixo, tudo meio solto (apesar de termos desejado continuar a criação, isso nunca foi possível). Agora, no entanto, será.

Temos um patrocínio e uma data para estrear: junho de 2018. Não sabemos muito do que se trata a coisa toda, apesar de sabermos já um bocado de coisas. Mas, nesse caso, no caso de Yellow Bastard, saber é o que menos importa agora. É preciso voltar às intuições para resgatar - sem muita força - aquilo que brotou feito arrepio. Para que possamos compor não um eixo feito de ossos ou músculos, mas apenas de sinapses e nervos. Estilhaços de imagens e arrepios.

Como conceber a consistência de uma nova criação artística, teatral? Do que ela é feita? Do que queremos que ela seja composta? São perguntas interessantes de se fazer. Quais ingredientes entram em nosso jogo? Podemos escolher todos ou devemos ceder ao imprevisível para que entre nós pouse também aquilo que não foi por nós escolhido? Voltar às intuições para preservar e cuidar dos arrepios.

Sempre que escrevo essa palavra - intuição - outra palavra pousa em mim: arrepio. Intuição-arrepio. Arrepio enquanto intuição que não sabe o destino, desconhece os fins, as finalidades, mas é tão intensa em si própria que isso já faz bastar sua existência. Resgatar as intuições para eletrocutar o corpo novamente. Para vermos onde dá brilho, onde - em nós, em nosso encontro - a faísca existe, respira e incendeia.

Comentários

Postagens mais visitadas